segunda-feira, janeiro 19, 2009

Em Setembro de 2003



Aquela chuva
foi Deus
nos meus
olhos
há muito
embaçados
explodindo
em sons
a dor
de trevas
e trovoadas
no meu
peito
aquela chuva
foi Deus
nos meus delírios
diluindo
ilusões
em
raios
que caíram
tantas vezes
ao meu lado
...

Foi ela
tocando
as cordas
no momento
dissonante
o diapasão
de sentimentos
pra colorir a
minha aura...
descobrindo tons
esculpindo em nuvens
Abrindo estradas
foi assim que
bruscamente
entendi
o que é
adeus
em 2003

Maris

5 comentários:

Alexandre Spinelli disse...

Este poema é lindo!
Parabéns, guria!

...um segredo... disse...

nossa é muito lindo e sincero... queria saber se me permite estar acompanhando o seu blogger?

abraços!

Lucas de Oliveira disse...

tu me faz viver essas cenas... esses raios caindo ao meu lado são teus versos inegociáveis!

linda, maris!

Giu Missel disse...

Gosto deste também.este é lindo. bj

O esconderijo do Pinico disse...

É lindo

forte

e sincero

poema com corpo, parece que tocamos!