domingo, março 27, 2011

CONSERVANTE


Olhos andam,
Os vejo...
Olham e
Sorriem.
Os meus, prontamente,
Correspondem.

E tantas vezes se
Alegram sem lhe ver.
Basta lembrar em flashes
Seu semblante...
Que de repente somem

Se dissolvem no
Seu até breve
...

Até onde
Dura esse diálogo surdo com gosto
Oculto de palavras,
Enquanto sinto
Tantos sons no estômago?

Provo
Desse impulso
Pro seus braços,
Ainda que
Pareça estranho...

Eu já não sei
Até onde o abraço
E o beijo
Podem ser guardados.

Sorte!
Encontrei um pote de conserva
Na estante...

Maris Figueiredo

quinta-feira, março 24, 2011

DE VENTO EM POPA...


E por ser de vento teu aconchego 
é que, às vezes, não chego a tempo...

MARIS FIGUEIREDO




domingo, março 20, 2011

São Sebastião do Rio de Janeiro

Sebastião desse Rio
De céu
Quase sempre
Aberto.
Povoado de
Farrapos,
Fantasias e
Favelas...

Ignorado!
De  luxo ao lixo
Escorrendo histórias e erguendo tantas  outras
Entre avenidas e vielas...

Sebastião,
Olha por ele!
Que nele
Corre dor,
Corre dívidas,
Mas, também sei,
Correm dádivas!


Sebastião,
Olha esse Rio!
Tem gente boa e
Tem gente equivocada
Feito água parada
Que não escoa...

Sebastião,
Perdoa! Perdoa
Essa gente que
Se deslumbra à toa
E não enxerga mais nada.

Não vê o choro,
A fome e
Desigualdade...


Sebastião,
Abençoa esse rio
Que de teimoso
Corre em risos,
Corre de amor
E solidariedade!

E como corre,
Senhor!


Maris

quinta-feira, março 10, 2011

quarta-feira, março 09, 2011

PESADELO



O Grito, Munch




Ainda que tua tempestade passasse
Com tremores
Afogando nossas últimas
Esperanças...


Ainda que teus trovões
Expulsassem os anjos
Com raios
De rancor
E morte...

Ainda que tua escuridão
Cegasse os sonhos
E a última vela
Apagasse...

Que escuridão é esta?
Tempo de guerra?

Combate
Nos campos em que
Descansava meu peito...

Saudade...

Da
Tua cabeça
No meu leito,
Um rio cujas margens, hoje,
Te pedem:
Volta!


Por favor, abra a porta!

E me salva
Dos pesadelos!


Maris

(sob efeito do rock and roll) rss

terça-feira, março 08, 2011

Por onde andei...

ANDEI, ÀS VEZES, DE PERNAS PRO ALTO
E SALTEI DE CABEÇA
MERGULHADA EM QUIMERAS

ANDEI POR ERAS E ERAS
E AINDA PASTO

ANDEI
MAS QUERO VOAR
ENTRE OS ASTROS

NÃO QUERO MAIS ESSES
PASSOS

QUE CANSADAS HÃO DE ESTAR UM DIA,
AS PERNAS

ENQUANTO QUE
A MENTE SEMPRE BRILHA TEIMOSA DE CANSAÇO
E O CORAÇÃO TRANSITA SOBRE ELA



MARIS

(OFICINA DA NOP)

Surpresa


CHOVE TANTO AQUI... DELICIOSO
FIZ PLANOS DE IR À PRAIA, MAS ESSA BRISA GELADA E ATREVIDA, EM PLENO VERÃO,  ME ALUCINA...

(terça-feira de Carnaval)


Maris

sábado, março 05, 2011

POR QUE LEMBREI...


Por que hoje, bateu uma saudade esquisita
E não há explicações
Ou impedimentos

Pra vontade de deitar no teu peito e
Desfazer o trato

Sem teu
Abraço
Um beijo
Um sorriso apenas

Por que hoje, eu lembrei diferente
Nostalgia
Da gente

De dia
Noite
Fria, quente
Relicário de vida mais
Vadia, feliz

Por que hoje, acendi tua luz
E a escuridão
Que escondia
Deixou-se mostrar

Por que, hoje, apenas queria
Lembrar, lembrar, lembrar
Mais nada
Só lembrar

E dizer: 
Foi bom!
 Foi bom um dia!
Não, mentira! Foi
Por muitos dias

....

MARIS