quinta-feira, novembro 29, 2012

JESUS

HÁ VIDA
NO CORAÇÃO DO MENINO

QUE DESCEU DA CRUZ
DESATOU  NÓS

SUA MATÉRIA É
 POEIRA DE LUZ NO ESPAÇO

ESTRELA GUIA DO PLANETA
PARA A MULTIDÃO DE VIAJANTES
QUE AINDA SE ACHAM TÃO SÓS

EMOCIONA A CORAGEM
DE SEUS ATOS INCOMPREENDIDOS:
OFERECER SUA FACE,
ANDAR AO LADO DE CORAÇÕES ENDURECIDOS,
DOENTES,  LOUCOS...
AMAR CADA ALGOZ...

SEGUIU LIVRE
POIS NADA  ALÉM DO QUE É
SERIA PRECISO 


NÃO CONDENOU A HUMANIDADE
NÃO ESBRAVEJOU PALAVRAS DE ORDEM
NÃO ESCREVEU LIVROS

MAS COMPARTILHOU CONOSCO
DE CORAÇÃO SENSÍVEL,
SERMOS UMA SÓ VOZ

AINDA ESPERAMOS A NOVA ERA, ILUDIDOS
ENQUANTO ELA SE APRESENTA NA TERRA
NAS OPORTUNIDADES DE SERVIR

ELE TRABALHA  POR TODA PARTE E
ESPERA, INCANSAVELMENTE, CADA UM DE NÓS


MARIS FIGUEIREDO


quarta-feira, novembro 28, 2012

CAMINHAR

JARDIM BOTÂNICO

BOM DIA, DIA!

NADA É TÃO FÁCIL, TAMPOUCO É DEFINITIVO...

VIVER É UM ESTADO POÉTICO DE TENTATIVAS E ENSAIOS. É BONITO DEMAIS, AINDA
QUE SEJAM AS DORES LATENTES, O DESPERTAR  DA CONSCIÊNCIA...

Maris Figueiredo



 DESSA VEZ
(NANDO REIS)

É bom olhar pra trás
E admirar a vida que soubemos fazer
É bom olhar pra frente
É bom, nunca é igual
Olhar, beijar e ouvir cantar um novo dia nascendo
É bom e é tão diferente

Eu não vou chorar
Você não vai chorar
Você pode entender
Que eu não vou mais te ver
Por enquanto
Sorria e saiba o que eu sei
Eu te amo

É bom olhar pra trás
E admirar a vida que soubemos fazer
É bom olhar pra frente
É bom, nunca é igual
Olhar, beijar e ouvir cantar um novo dia nascendo
É bom e é tão diferente

Eu não vou chorar
Você não vai chorar
Você pode entender
Que eu não vou mais te ver
Por enquanto
Sorria e saiba o que eu sei
Eu te amo

É bom se apaixonar
Ficar feliz
Te ver feliz me faz bem
Foi bom se apaixonar
Foi bom, e é bom e o que será
Por pensar demais eu preferi não pensar demais
Dessa vez
Foi tão bom e por que será?

Eu não vou chorar
Você não vai chorar
Ninguém precisa chorar
Mas eu só posso te dizer
Por enquanto
Que nessa linda história os diabos são anjos

Eu não vou chorar
Você não vai chorar
Você pode entender
Que eu não vou mais te ver
Por enquanto
Sorria e saiba o que eu sei
Eu te amo ..

terça-feira, novembro 27, 2012

NA FORJA DA VIDA

Na Forja da Vida

"Entrai pela porta estreita porque larga é a porta da perdição e espaçoso o caminho que a ela conduz e muitos são os que entram por ela." (JESUS, Mateus, 7:13).
"Larga é a porta da perdição porque são numerosas as paixões más e porque o maior número envereda pelo caminho do mal."
(Alan Kardec. E.S.E, Cap. XVIII, 5)

Trazes contigo a flama do ideal superior e anelas concretizar os grandes sonhos de que te nutres, mas, diante da realidade terrestre, costumas dizer que a dificuldade é invencível.
Afirmas haver encontrado incompreensões e revezes, entraves e dissabores, por toda a parte, no entanto...
O pão que consomes é o resumo de numerosas obrigações que começaram no cultivo do solo; a vestimenta que te agasalha é o remate de longas tarefas iniciadas de longe com o preparo do fio; o lar que te acolhe foi argamassado com o suor dos que se uniram ao levantá-lo; a escola que te revela a cultura guarda a renunciação de quantos se consagram ao ministério do ensino; o livro que te instrui custou a vigília dos que sofreram para fixar, em caracteres humanos, o clarão das idéias nobres; a oficina que te assegura a subsistência encerra o concurso dos ceareiros do bem, a favor do progresso; o remédio que te alivia é o produto das atividades conjugadas de muita gente.
Animais que te auxiliam, fontes que te refrigeram, vegetais que te abençoam e objetos que te atendem, submetem-se a constantes adaptações e readaptações para que te possam servir.
Se aspiras, desse modo, à realização do teu alto destino, não desdenhes lutar, a fim de obtê-lo.
Na forja da vida, nada se faz sem trabalho e nada se consegue de bom sem apoio no próprio sacrifício.
Se queres, na sombra do vale, exaltar o tope do monte, basta contemplar-lhe a grandeza, mas se te dispões a comungar-lhe o fulgor solar na beleza do cimo, será preciso usar a cabeça que carregas nos ombros, sentir com a própria alma, mover os pés em que te susténs e agir com as próprias mãos.

EMMANUEL

sábado, novembro 24, 2012

...

por Maris
 


Água Doce - Marcus Viana e Sagrado Coração da Terra


Doce água - água da nascente
tão claro, tão puro
Onde todos os meus sonhos começam.
Doce água - água escura do rio
tirar minhas tristezas, minha alma entregar.
Doce água - água, cachoeira
Deixe-me em você salão de luz.
Doce água - água do lago
tão tranquilo, tão profundo
Há uma senhora lá para você conhecer.
Doce água - água da chuva
Arrebatar os maus pensamentos
e se perde - faz-me sã.
Doce água - água do deserto
eu vou te encontrar bem escondida
e beber de você para sempre.
Doce água - água do mar
golfinhos, baleias e sereias
Cante sua música para mim.

sexta-feira, novembro 23, 2012

FRAGILIDADE


QUERO MESMO!
 UMA HISTÓRIA,
DE FINAL FELIZ COM BRIGADEIRO,
 FATALMENTE VIVER A VIDA COMUM...

QUERO MESMO,
ASSIM COMO QUEM SOPRA UMA PENA.
COMO QUEM FAZ BOLINHAS DE SABÃO...

QUERO ESCONDER, PRA ESTOURAR MAIS TARDE, O PLÁSTICO BOLHA DO ELETRODOMÉSTICO QUE CHEGOU...

 EU QUERO!
COMO QUEM ANDA DE BICICLETA PELAS CALÇADAS,
MASCAR CHICLETE E PRONUNCIAR, SEM OLHARES REPRESSORES,
UM PALAVRÃO...

EU ESPERO
ACONTECIMENTOS DA MARINA

ESCORREGAR NA GRAMA DA QUINTA

COLHER FLORES E MATINHOS

DEIXAR
A MÚSICA BALANÇAR AS CAIXAS DE SOM

FAZER FAXINAS NAS GAVETAS
E PERFUMAR OS ARMÁRIOS



ESPERO A ABSOLVIÇÃO POR NÃO USAR AGASALHOS
E A FRÁGIL FELICIDADE POR CONDENAÇÃO

MARIS FIGUEIREDO



quarta-feira, novembro 21, 2012

ENTRE PRELÚDIOS E TÉRMINOS



A MELODIA  EM MIM
CORRE VEIAS,
ARTÉRIAS,
ARTEIRA

O SOM
VIBRA SENTENÇAS
FELIZES, FESTIVAS E
ALARDEIA
AS ONDAS DE CALOR

 DESEMBOCA
 UM FRESCOR
 DA MADRUGADA
 SORRATEIRA

A HARMONIA EM MIM
LIBERTA A MENTE,
VERTE EM LUZ E COR
 
E
 DEVO ISSO AO
TEMPO QUE SE REVELOU
EM

 NEBLINA DE
TRANSLÚCIDAS
 GOTAS E GOTAS... PRA
EVAPORAR  A DOR


ABRINDO CÉUS AZUIS 

E O QUE ME PROTEGEU NESTAS PAISAGENS ESQUECIDAS
DESERTAS, RÚSTICAS DE VIDA

FOI O VELHO JEANS DESBOTADO
A BOTA QUE COMPREI ANO PASSADO

O BATOM COM PROTETOR SOLAR
ALGUNS SERES ALADOS
O SABOR DA BALA HALLS
O PERFUME AMADEIRADO COM PÉTALAS DE FLOR

AS MÚSICAS CLÁSSICAS, O ROCK PESADO

E O CRUCIFIXO DO SALVADOR...


MARIS FIGUEIREDO

segunda-feira, novembro 19, 2012

METÁSTASE



E OS GALHOS DAS ÁRVORES
PERCORREM OS CÉUS
À PROCURA DE AR




MARIS FIGUEIREDO

domingo, novembro 18, 2012

POR TODA PARTE



És Sombras de um forte mormaço
Dos campos verdes que pisas

És
Andança marcada na superfície
Ora, afogada em águas profundas...
Nessas ondas em que afundas.

És a mão recriando em círculos
A atração dos universos
Ecoando vida...

Cultivas sementes,
Espalha nas ventanias e
Traz nas brisas os frutos
Das manhãs incandescentes

És a pedra do poeta,
Relicário de esperança
Mineral que gera sonhos

És dúvida que grita
Certeza independente
Que habita entre "sins" e "nãos"
Da  multidão aflita


Me guarda em Teu coração!


Maris Figueiredo

sexta-feira, novembro 16, 2012

DA LÍNGUA

DESSE SEU NO MEU, MEIO AMARGO... 


MARIS FIGUEIREDO

quinta-feira, novembro 15, 2012

GRITO MUDO

QUEM SABE, A DOR AGITE AS CORDAS

QUEM SABE, A DOR SE DECIDA
PELA SONORIDADE

QUEM SABE, A DOR SE DECIDA
PELA INTENSIDADE

POR UM COLORIDO,
POR UM SOLO QUE TOQUE FUNDO
O GRITO

QUE SUSTENTE 
O TEMPO DA NOTA...


É DIFÍCIL MANTER A AFINAÇÃO  POR TANTOS DIAS
MAS, POR OUTRO LADO,
VAZIA, UMA PAUTA  É MUDA DE ENCANTOS





MARIS FIGUEIREDO

quarta-feira, novembro 14, 2012

LÂMINA

NÃO CONFIE QUE MEUS MOMENTOS DE DOÇURA SE ESTENDAM AOS DIAS 
EM QUE MINHA LÂMINA AFIA E PRODUZ CALAFRIOS... 
SOU DE ACARICIAR E AO MESMO TEMPO, MACHUCO SEM MOTIVOS. 
A PROPÓSITO, PENSO QUE  QUANDO NÃO AMANSADOS, MEDIMOS FORÇA E TALVEZ, SEJA ESSA ESPERA DE ABRIGO QUE ME FAZ DOR PELAS BEIRADAS...


MARIS FIGUEIREDO

terça-feira, novembro 13, 2012

PREVISÃO

 COM A AUSÊNCIA DE CONTEMPLAÇÃO DO CÉU, O TEMPO DE AVISTARMOS VARIADAS FORMAS NAS NUVENS, SE ESGOTA.
O ESQUECIMENTO DAS COISAS SIMPLES FAZ COM QUE A VISÃO PERCA O BRILHO, SENDO ASSIM, A VISTA EMBAÇADA É COMO O TEMPO NUBLADO... O ESFUMAÇADO DOS DIAS ESCONDE A LUZ... O COLORIDO DA VIDA DESBOTA E O TEMPO... O TEMPO  FICA PRA SEMPRE SOMBRIO.


MARIS FIGUEIREDO



segunda-feira, novembro 12, 2012

FRAGMENTO DE ENGASGO DOS MALEFÍCIOS [SEN]TIDOS

Tenho tantos equívocos e colho os matinhos que nascem à beira da calçada. No entanto, durante a caminhada, tento não fechar os ouvidos aos cantos dos passarinhos, aprecio o céu, o mar... Assim como sinto o perfume das flores que habitam distante.
Estou tentando, meu canto parece, às vezes, uma revoada silenciada na busca nem sempre “educada” pelo equilíbrio e autoconhecimento. Ora, dilacerante, ora  doce, tranqüilo, relaxado... É difícil desconstruir casulos seculares...
ENGASGO DOS MALEFÍCIOS [SEN]TIDOS
EM:  WWW.CARTASMEMORIAS.BLOGSPOT.COM
 
MARIS FIGUEIREDO

domingo, agosto 26, 2012

ACEIT(AÇÃO)




ESQUECER...

ENTERRAR E NÃO VER

SABER, MAS NÃO QUERER

E NEM QUE UMA PONTA FIQUE À MOSTRA,
JAMAIS REMOVER
TODA A TERRA QUE RECOSTA

ESQUECER PRA
QUE SEJA ENTÃO
BERÇO DE SEMENTES

ESQUECER PRA QUE VIRE
MORADA DE OUTROS VIVENTES

 NÃO QUERO MAIS
  PORÕES
 NEM POEIRA ACUMULADA

TER APENAS MAIS AFEIÇÃO
PARA ENTENDER COM AMOR O "NÃO"
E DERRETER
AS GELEIRAS DE LÁGRIMAS INCRUSTADAS

TALVEZ, DÊ PRA
CONVIVER COM ACEITAÇÃO,  MANTENDO A REBELDIA
QUE TRANSFORMA-SE EM ARTE

FAZER DO ESQUECIMENTO
POESIA

ME LIBERTAR DO QUE DE MIM
NUNCA FEZ PARTE



MARIS FIGUEIREDO





quarta-feira, agosto 22, 2012

Wherever I Am - CARAVELLUS

Caravellus -

Wherever I Am










quinta-feira, julho 26, 2012

AMANHECER


HOJE, AMANHECI O DIA... E ERA TÃO CEDO AINDA, QUANDO  O DIA CHEGOU...

Maris Figueiredo




Relaxing Bird Music - Dan Gibson's Solitudes


 



terça-feira, julho 24, 2012

O CICLO DAS NASCENTES

 QUERO PRODUZIR
 MENSALMENTE, PERFUMES

EXALAR ESSÊNCIAS DE FLORES, MADEIRA, RAÍZES, CAULES, CASCAS, FOLHAS...

QUERO
ALGUMAS SEMENTES A DESABROCHAR AO SOLO DO MEU VIOLÃO AO TEU DIAPASÃO,
NAVEGANDO NAS ÁGUAS DOCES DAS NASCENTES...

QUERO AS TROMPAS DE FALÓPIO QUE COMPÕEM MÚSICAS
NÃO SÓ DE DÓS...
QUERO OVULAR RÉS, FÁS, LÁS, SIS
EM MIS VIBRANTES

QUERO NO ÚTERO A CIRANDA DOS SÓIS
NUM BRILHAR GIGANTE
DE VIDA PERFUMADA

MINHA ESSÊNCIA ASSIM, GOTEJANDO
DAS ESTRELAS DE UM CÉU AZUL
FLUTUANTE

E QUE EM 28 DIAS
ENTORNA EM MIM
TODO AMOR QUE GUARDAVA...

MARIS FIGUEIREDO








quinta-feira, julho 05, 2012

CARTAS PARA O SOL DAS MANHÃS DE ENCANTO




TEUS CÉUS SÃO RISCADOS DE RIMAS, NUM PERFUME DE ROSAS...
TRAÇADOS DE UM MAPA NO ASTRAL, DESENHADO EM TUAS MÃOS CORAJOSAS. E QUÃO GRANDE  A EXPLOSÃO QUE TE DESPIU DAS LUZES, MERGULHANDO NO CAOS DA ILUSÃO TERRENA, TE TORNANDO SIMPLES CAMINHANTE...

A NOITE ESCURA TE GUARDA, ACOLHE COM TEU MANTO...TEU BERÇO DE ESTRELAS NO ANOITECER DAS GALÁXIAS, SOPRA SONS DE ACALANTO...

TÃO PROTEGIDO ESTÁS SEM QUE TE PERCEBAS. 

A MAGIA DO AMOR QUE ENSEJAS, SE ESPALHA MISTERIOSAMENTE IMPREGNANDO A ATMOSFERA AFLITA DE ENTENDER O QUE REALMENTE SOMOS.

POR ISSO, DISTRAÍDO, TEU OLHAR DISTANTE,  OUVE AO LONGE, AS VOZES QUE AINDA ECOAM DE UM PARALELO MUNDO QUE ATRAI AS LEMBRANÇAS DE OUTRAS EXISTÊNCIAS.  
 

EU SINTO TUA ALMA FLUTUANDO POR  INSTANTES, UMA NOSTALGIA INVADE OS MEUS, OS TEUS DIAS... POIS AINDA LEMBRAMOS DOS
TRIGOS QUE BALANÇAVAM NOS CAMPOS, DAS HERAS VERDINHAS, DOS SERES SIMPLES QUE HABITAM O MUNDO, SERVINDO À  NATUREZA E PROTEGENDO A VIDA.


OS SÉCULOS PASSARAM VIAJANDO NAS HISTÓRIAS QUE CONSTRUÍMOS  E NAS EMBARCAÇÕES NOS REENCONTRAMOS, NOS DESPEDIMOS... DEIXANDO APENAS AS SENSAÇÕES QUE GUARDAMOS. 
PENSO QUE ESSE MAR DAS MEMÓRIAS MERGULHADAS, NOS AGUARDA O DESPERTAR DE UM SONO...

NO CÉU DE CONSTELAÇÕES E MISTÉRIOS TECEMOS NOSSAS RENDAS EMBARAÇADAS ENTRE FIOS DE BELEZA, HARMONIA... MAS TAMBÉM, DE ENGANOS.

SENTINDO QUE TE AMO, GUARDO APENAS A SENSAÇÃO DE ERAS E PROCURO ME ENGANAR, CHAMANDO DE ANOS. 

AS FLORES CRESCEM, OS RIOS SEGUEM, O MAR INVADE.... TRISTEMENTE A NATUREZA FENECE TÃO DIFERENTE DAQUELES TEMPOS QUE NOS ENCONTRAMOS...

QUE SAUDADE DA ESSÊNCIA DO QUE SOMOS...
DE UM COLORIDO DELICADO RODOPIANDO ENTRE AS RAMAGENS, NAS SAUDOSAS TARDES QUE NOSSAS TESTEMUNHAS ERAM O CÉU, FLORES, PÁSSAROS E ÁRVORES SECULARES....



Maris Figueiredo




SITE - BLACKMORE'S NIGHT NO BRASIL

http://blackmoresnightbrazil.blogspot.com.br

sábado, junho 16, 2012

DES PE TA LAR



É QUE SINTO UMA COISA ESTRANHA,  QUANDO OUÇO MÚSICA

COMO SE PUDESSE FLUTUAR, ME LIBERTAR DO CORPO...
DESSE TALO DE HISTÓRIAS

MACHUCA TANTO
SENSIBILIDADE DE SER TERRA À FLOR DA PELE, À FLOR DE SONHOS.
AO MESMO TEMPO É PURO ENCANTO!

ETERNIDADE NA TENRA IDADE DE SEMENTE ADORMECIDA...

CORRENDO NAS RAÍZES
FORTES, CURIOSAS, GANHANDO A LIDA,
BRIGANDO,
ENTRELAÇANDO...

DESABROCHANDO MANHÃS
ORVALHADAS DE CHEIRO VERDE
DA MINHA CLOROFILA 

EM TONS CINTILANTES...

SIMPLICIDADE DESAPERCEBIDA DE
VENTAR E PERFUMAR TANTO,
QUANDO POR UM MOMENTO
SE DESPETALA!

DESPERDIÇANDO VIDA...


Maris Figueiredo







REVELAÇÃO

-  AMO VOCÊ.
DISSE

E DESENHAMOS CORAÇÕES
EM ÁRVORES SECULARES
COM PEDRAS QUE FORAM TESTEMUNHAS

- AMO VOCÊ
DISSE

E SOPROU  FORTE A BRISA,
ANUNCIOU  FLORES, CANTOS DE PÁSSAROS...
QUE TUDO PERFUMOU NOSSAS VIDAS


- AMO VOCÊ
DISSE

O RIO ACALMOU-SE
E ACOLHEU O MAR EM SUA BRAVURA,
QUE NAS TEMPESTADES
MISTURA-SE
O GOSTO DO SAL
À DOÇURA



E PASSEI A DORMIR TRANQUILA,
OUÇO MÚSICAS
SINTO SUAS TEXTURAS

ADORMEÇO DEPOIS DO CANSAÇO
LEVE DE TANTO DELEITE
ESVAINDO TERNURA

 MARIS FIGUEIREDO






domingo, maio 27, 2012

DECANTO






 E calada
feri-me com espinhos das rosas brancas no campo

Murcharam entre tentativas de sobreviver às estações perdidas,
desnudas de encantos...

Na penteadeira entre fios dourados de cabelos, ficaram expostos os sonhos congelados
 

E o que fiz depois?

Não há brilho que dure à noite iluminando a escuridão do peito, feito um grande buraco vazio. Nem calor que aqueça a
vida de desejos perdidos...


De canto, decantei entre desencantos, 

Um silêncio ferido...
Desencantamos, perdemos o ponto...
E diluí
Parindo dores, gestando poesias
De matéria fria

Dói muito essas contrações do degelo...
Esse esvair de vida 
Em mudo apelo


MARIS FIGUEIREDO


domingo, maio 20, 2012

...

by Maris
VISTA CHINESA

segunda-feira, maio 07, 2012

DIVINA LUZ

E QUE ESSA LUZ ME CUBRA
DIAS E NOITES

POIS QUE NÃO CONSIGO CAMINHAR NAS SOMBRAS
DAS MINHAS INCERTEZAS
COMO QUEM CARREGA A VIDA
ENTRE CRUZES

E QUE ESSE ALENTO
ME LEVANTE NOS TROPEÇOS
REFAÇA OS
DESTROÇOS...

DESFAÇA O PESO
DAS PEDRAS QUE SUSTENTO ENTRE
FARDOS QUE CRIO DIANTE DO QUE AINDA NÃO COMPREENDO
E OS FALSOS MEDOS

QUE O AMOR PLANTE EM MIM MUITAS
CURVAS CAPAZES DE RECEBER SEMENTES,
FRUTIFICANDO EM TRABALHO REDENTOR,
SUSTENTANDO A ALMA
SILENCIANDO A INQUIETAÇÃO, CALANDO A DOR

QUE ESSA DIVINA LUZ
FONTE DE AMOR, SABEDORIA
E FRATERNIDADE
ACENDA EM MIM
NOVOS HORIZONTES COM ESPERANÇA,
FÉ E BONDADE!

MARIS FIGUEIREDO

domingo, maio 06, 2012

LABIRINTO






TESEU PERDIDO
POR UM FIO
NAQUELES CAMINHOS

TESEU PERDIDO
POR UM FIO
TECIDO DAS LEMBRANÇAS
POR ONDE PASSAVA

TESEU PERDIDO
POR ONDE PASSAVA
UM FIO TECIDO
DAS LEMBRANÇAS

TESEU PERDIDO
DAS LEMBRANÇAS
NAQUELES CAMINHOS
POR UM FIO

TESEU PERDIDO
NAQUELES CAMINHOS
POR UM FIO
TECIDO DAS LEMBRANÇAS


 TESEU PERDIDO
 POR ONDE PASSAVA

TESEU PERDIDO
POR UM FIO
NAQUELES CAMINHOS
TECIDOS DAS LEMBRANÇAS

FIO PERDIDO
POR ONDE PASSAVA
TESEU
POR UM FIO

TESEU
NAQUELES CAMINHOS,


POR UM FIO TECIDO
 NAQUELES CAMINHOS, PERDIDO


 PASSAVAM LEMBRANÇAS
POR UM FIO

  NAQUELES CAMINHOS

POR UM FIO
UM FIO
FIO

TESEU  POR UM FIO,

PERDIDO!


MARIS FIGUEIREDO

sexta-feira, maio 04, 2012

CLASSIFICADOS



"Não procuro
 Alguém que aguente o peso das minhas mudanças, das trocas de pele... Que compreenda quando sofro a influência da lua, a influência dos planetas, quando passo pelos meus dias de luz e sombra. Que enxergue além das conjunções, tensões, quadraturas...
Respeite o hábito de movimentos seculares e os outros que surgem de explosões dos meus sóis internos, dessa alegria que consome e transborda vida. Dessa energia brotando sonhos que frutificam algumas esperas...
Que escute meus silêncios, não se incomode com meus barulhos. Que me deixe entregue as minhas pausas em pautas de músicas que vão do céu ao inferno. Projetando notas, criando verbos, acendendo luzes... Gritando sons ou abafando berros nas minhas contradições.
Que crie vínculos, nunca elos!Me perceba em busca, sendo, estando... Andante! Nunca completa! Errante! Simples e complexa nos símbolos, significados, às vezes, insignificantes.
Alguém que não precise estar todos os dias ao meu lado, mas que esteja sempre por perto...
Não procuro, não preciso. Apenas espero"...

Maris Figueiredo






segunda-feira, abril 30, 2012

ENTRE GUARDADOS




DA PELE FORAM
TECIDOS OS SONHOS

ESTAÇÕES ATEMPORAIS
E
INVERNOS HIBERNARAM
NOS ARMÁRIOS...

ALGUNS, ACONCHEGADOS NO MEU PEITO,
RESISTIRAM A UM CAMPO DE PRIMAVERAS CATIVAS,
PÉTALAS DE ROSAS GUARDADAS...

ENTRE CORDÕES, BROCHES, CHAPÉUS... ECHARPES
E CÉUS AZUÍS, DISTRAÍRAM-SE VIDAS,
EXCETO, OS
DESENLACES, LAÇOS DO QUE SOBROU DE NÓS
PRA CONJUGAR SOZINHA...

ESCALEI FIOS DE OUTONOS QUE PASSAM, AMARELADOS DE
CHEIROS, IMPRESSÕES, PALAVRAS... RECADOS
DESENHARAM SORRISOS NA FACE, AQUELA QUE EU JÁ NÃO VIA

LEMBRANÇAS DOCES, COLORIDAS
AGUARAM A BOCA

MOLHANDO
VERÕES QUE DESPERTARAM
DAS GAVETAS EMPERRADAS

EXCESSO DE PESO
GUARDADOS ESCORREGARAM ENTRE OS DEDOS

E LEMBREI DOS
LADOS DA MESMA HISTÓRIA...

JOGUEI FORA
TUDO QUE PERECIA









MARIS FIGUEIREDO

domingo, abril 29, 2012

POR UM FIO


Sonhos descem céus
Movimentam rios


Descem
À procura de abrigo
No meu umbigo

São assim
Cativos
Entre as pernas
Alimentam
Atritos

Descem
Doces
Pra ceder a risos


Calafrios
Sopram fios
Abrindo
Meus precipícios
Quentes e
Escorregadios





Maris Figueiredo




domingo, abril 15, 2012

FALL INTO YOU - AMY LEE & DAVID HODGES




Fall Into You (David Hodges Ft. Amy lee)

[David Hodges]
Seems so far
That i have gone down this road
Only to find that it ends
But lookin' back
There is one thing that I know
I can't make it all alone again

[David Hodges]
'Cause im too weak to stand on my own
But all I need is you

[David Hodges]
[Chorus]
So lead me
Guide me
Hold me
Hide me in love
With all that you are
and all that you do

[David Hodges]
Hear me
Take me
Mold me
Break me a God
Just fill all of me
As i fall Into you

[David Hodges]
Just catch me as I fall
But all this time
I have felt so alone
losing myself in my dispair
With loving arms
You were waiting for me to let go
With every step
you were there

[David Hodges]
'Cause I'm too weak to stand on my own
When all i need is you

[David Hodges]
(chorus)
Oh my child
How i have longed
You to come home
to where you belong
All of your life
If you could just see
All of my joy
When you are here with me

[Amy Lee]
So lead me
Guide me
Hold me
Hide me in love
With all that you are
and all that you do

Hear me
Take me
Mold me
Break me a God
Just fill all of me
As i fall Into you

sábado, abril 14, 2012

"UM PÉ DE CÁ TE ESPERA"






TINHA "UM PÉ DE CÁ TE ESPERA"
FINCADO NA TERRA

OUTRO, FEITO SONHO DE ÍCARO
ERA DADO À QUIMERAS
ATÉ O DIA QUE
SUA ESPERA ACABASSE

NADA IMPORTAVA,
TANTO QUE CHEGASSE...

NOS PASSOS CATIVOS
NÃO CONTAVA AS HORAS, NEM O DIAS

E ERA TANTA ESPERANÇA
DERRAMADA
QUE GERMINOU O CHÃO


FLORESCEU LEMBRANÇAS E
ESPALHOU FRUTOS NO CÉU

QUE CAÍRAM MADUROS
DE ESPERAS QUE NÃO ACABAM
DAQUELES SONHOS QUE NÃO SE ALCANÇAM



MARIS FIGUEIREDO









sexta-feira, abril 13, 2012

BALÕES COLORIDOS




ÀS VEZES, SINTO FALTA DOS AMIGOS

POR PERTO

 

DO SORRISO SINCERO

 

DA CONFIANÇA

 

NÃO QUERO CHORAR MÁGOAS

NEM PEDIR COLO

 

QUERO APENAS CONTAR COM A LEMBRANÇA

CONTAR COM DIAS CALMOS E ALEGRES QUE A AMIZADE

GUARDA

A SETE CHAVES

 

UM BAÚ DE ENCANTOS, HISTÓRIAS, DESABAFOS

E ESPERANÇAS

 

 

MARIS FIGUEIREDO

 

 

sexta-feira, abril 06, 2012

CRESCEM VERBENAS






AINDA CULTIVO VERBENAS
ASSIM DO MEU JEITO


ENTRE
RETICÊNCIAS,
NASCEM TANTAS POSSIBILIDADES...



E NA VERDADE, POUCO
IMPORTA
O QUE ACHAM

TIREI AS CERCAS,
OS JARDINS ESTÃO EXPOSTOS.
NÃO OS CONSTRUÍ ESPERANDO BORBOLETAS.

ACOLHO FORMIGAS,
LAGARTAS,
BICHOS DE TODA SORTE...

ENTRE AS PERNAS, MEU LEITO E
VÁRIOS NORTES...

SÓ QUERO MESMO É FAZER NASCER AS
MUITAS VERBENAS
DO MEU PEITO


MARIS FIGUEIREDO

terça-feira, abril 03, 2012

ESSE MEU MUNDO...







DE FASES,
PERMITO O MEDO,
A INFANTILIDADE, A INSEGURANÇA
E PARECE
ULTRAJE


REVELAR SEGREDOS, FALAR BOBAGENS...


ACEITO ATÉ O SILÊNCIO
E DEVOLVO A OUTRA
FACE


DE FASES,
ABRAÇO A ALEGRIA, A CONFIANÇA, A MATURIDADE.
TENHO ATÉ CORAGEM,
FAÇO AS
PAZES
COM O MUNDO


E SEUS BURACOS
SEM FUNDO


ONDE O NADA
É FECUNDO NA
ESCURIDÃO
DO UNIVERSO
INSANO


POVOADO DE ENGANOS
DESTE MEU INTERNO MUNDO
PELO MURO
ESPECULADO





MARIS FIGUEIREDO




domingo, março 25, 2012

(DI)VERSOS






Desses dias sem
Poesia

Talvez,
Rimem

No universo 
Íngreme 

Dos encantos
Escorregadios

 Que
Afundamos
Em pântanos
E prantos
Da tua ventania,
Os versos



Verbos
Despejados
No dia

Da partida
Sem sentido

Ecoando
Entre espaços vazios às
Linhas
Que se curvam
Em tentativas

E chorei tanto



Morreram
Sem nunca terem
Existido










Maris Figueiredo

terça-feira, março 20, 2012

DE VIAGENS, DE ESTAÇÕES E DE OUTONOS






AMO O OUTONO
ESSE SOL TERNO E  DE RAIOS TÊNUES

A NATUREZA DISTRAÍDA
PELAS MANHÃS FRESCAS
QUE NOS DESPERTAM

A SOMBRA FRIA,
UM AR GELADO
DE UM DIA ENSOLARADO
QUE AQUECE

SABOR DE LIBERDADE
SEU JEITO DE BRISA
E TONS PASTÉIS DE UMA
NOSTALGIA
VIBRANTE




AMO O OUTONO
SUAS CORES
SABORES

LUZ E
SOMBRA

SEU SOM
DESPRETENSIOSO
DE QUEM TRANSITA
SEM MEDO ENTRE O VERÃO E O INVERNO

AMO O OUTONO
AMO


PERCORRO  TODAS AS ESTAÇOES
SEMPRE À PROCURA
DO OUTONO ETERNO





MARIS FIGUEIREDO








sexta-feira, março 16, 2012

O TÉDIO NA HORA DO CHÁ




E QUE A CAFEÍNA NOS ACOMPANHE O ÓCIO, AMÉM!

MARIS FIGUEIREDO

terça-feira, março 13, 2012

CARTAS PRA NINGUÉM

VI


RIO DE JANEIRO, 14 DE MARÇO DE 2012.






Talvez, insconsciente ou não, sempre fui simpática à putaria. Será?
Embora, não os acompanhasse, sempre simpatizei com os rotulados  que "andam errado". Não que eu desejasse ser igual a eles em tudo... É que respeito quem age acreditando no que faz, mesmo que no fim nada dê certo.
 A ousadia e a coragem são características encantadoras e com o tempo podem se transformar em verdadeiros tesouros da alma. Essa minha admiração vem justamente do fato de me identificar com aqueles que, como eu, estão na estrada de peito aberto, aprendendo, experimentando e errando também.
E eu erro muito, isso não me torna orgulhosa dos meus tombos, mas eu tenho que admitir, erro!
Quero distância desses critérios da falsa moral: "faça o que falo, mas não faça o que faço". Me dou ao direito de não ter " bom gosto", esse que é aconselhável para ser aceito; me dou ao direito de desconfiar do " bom senso" e dos "bons modos da etiqueta e hipocrisia. 
Não suporto as unanimidades e o status decorrentes do senso comum. Nem sempre acredito no que faço, penso, reflito... Porém, muitas vezes, faço ainda que me ferre!
Gosto dos artistas justamente por esse gosto de rebeldia, de pensar o impensável e de criar. Gosto da arte, aprecio a arte... Só não suporto os pseudos estetas!

Maris Figueiredo

segunda-feira, março 12, 2012

ITINERÁRIO





Seguindo as nuvens
Inventando histórias das
Imagens que se formam

Entre
Sombras e luzes que
Se transformam
Concomitante aos
Meus passos

Largos, curtos
Atrevidos, caducos
Matutos, desbravadores,
Criadores de casos e
De caminhos


Molhando o céu
Olhando o pincel em
Seus tons azul, rosa
Amarelado... 

Pintando certo
Ou errado, se é que se pode
Fazer juízo de valor
Do próprio itinerário

Das escolhas
Dos tropeços
Dos cuidados
Por causa de medo
Do inesperado

Das doçuras
Das verdades
Da sinceridade
Das vontades
Dos desejos
Do bem que se cultiva 
Da coragem

Respirando toda clorofila
Numa consumação
Abusiva
De vida

Eternizando os passos em
Relâmpagos
 Ventanias

Despetalando
Brilhos
 Brisas

Despejando
O peso 
Da matéria no espaço





Maris Figueiredo

sexta-feira, fevereiro 10, 2012

PARTIDA - WALTER MOTTA

Parece triste a partida,
Um vento
Gelado de brisa
Espalha as folhas
Em desalinho

Um tempo disperso
Congela o ninho
Que já não suporta mais o peso
Da história

O balado do sino
Anuncia um silêncio ferino:
Adormeceu no sonho
O menino de outrora

Mas a essência divina
Da alma que se eleva, despindo-se de
Máscaras comuns dessa terra,
Se vê assim
Tal como era

Livre!
Vai embora...

E quem de nós
Terá coragem de se ver ainda em lida?

Não há limites para a luz 
Que se despede
Da roupa que já não lhe serve

Não há limites
Para a busca íntima 
E de suas verdades

Se desfazer do choro,
De velhas bagagens,
Equívocos da viagem

E partir!

Voa!!!

Voa, tio!
Coragem!

Percorre outros caminhos,
Outras estradas.
Se desprenda das amarras 
E lembra de Deus!

Ora!
Lembra do amor da  mãezinha que lhe espera
E dos queridos que estão nas esferas
Que certamente te acolherão a chegada!


MARIS FIGUEIREDO





(Até mais querido! Que meu avô ainda esteja por aí para te ajudar também!!!)







sexta-feira, fevereiro 03, 2012

CARTAS PRA NINGUÉM



RIO DE JANEIRO, 03 DE FEVEREIRO DE 2012





 NO TEMPO DAS FORMIGAS... MAS EM ESSÊNCIA,   CIGARRA... BORBOLETA TAMBÉM. VIVO DE METAMORFOSES COMO CONDIÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA.  NÃO SEI ANDAR NA LINHA, UM ATRÁS DO OUTRO. NÃO SEI FAZER AS MESMAS COISAS SEM MUDAR, SEM MODIFICAR, SEM CRIAR...
NÃO VIVO NA HARMONIA PLENA, NO ENCANTAMENTO MUDO DE UM TOM COR DE ROSA. NÃO SOU POLITICAMENTE CORRETA... SIGO AS MINHAS BUSCAS, CONSTRUO CASULOS, ME DESFAÇO DELES, CRIO ASAS, QUERO VERTER EM ESTAÇÕES MEUS SENTIMENTOS E ANSEIOS...
 EU ATÉ SEI ME DISCIPLINAR E CARREGAR AS FOLHAS, MAS TEM QUE SER CANTANDO...


Maris Figueiredo