domingo, novembro 18, 2012

POR TODA PARTE



És Sombras de um forte mormaço
Dos campos verdes que pisas

És
Andança marcada na superfície
Ora, afogada em águas profundas...
Nessas ondas em que afundas.

És a mão recriando em círculos
A atração dos universos
Ecoando vida...

Cultivas sementes,
Espalha nas ventanias e
Traz nas brisas os frutos
Das manhãs incandescentes

És a pedra do poeta,
Relicário de esperança
Mineral que gera sonhos

És dúvida que grita
Certeza independente
Que habita entre "sins" e "nãos"
Da  multidão aflita


Me guarda em Teu coração!


Maris Figueiredo

2 comentários:

Wasil Sacharuk II disse...

Adorável!

Maris Figueiredo disse...


Tbm tenho te lido.

Tenho lido muita gente, esses dias. Estou afastada do trabalho. Meu pai está doente ... Aproveito pra ler algumas pessoas.

Obrigada pelas visitas e leituras.